10 mitos que convém desfazer sobre a dieta vegetariana

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Dizer que a dieta “plant based” é sempre saudável e que a carência de proteína é protagonista do veganismo não passam de dois mitos. Já aqui lhe fomos falando de alguns deles, mas agora ficará a saber toda a verdade sobre a alimentação à base de vegetais.

A diversidade de nutrientes é, sim, uma constante na alimentação que abrange o mundo vegetal. Contudo, nem tudo é um mar de rosas e não há apenas benefícios, assim como não há só malefícios. As dietas vegetarianas e veganas são como todas as outras e estamos, aqui, para desmistificar algumas ideias que circulam por aí.

  1. As dietas à base de vegetais são sempre saudáveis

“Se só comem legumes e vegetais, então devem ter sempre uma alimentação saudável”. Errado. Apesar de o abandono da carne, especialmente a vermelha e a processada, estar ligada a muitos benefícios, como a prevenção de cancros e de doenças cardíacas, não é verdade que a alimentação vegetariana e vegana é sempre saudável.

Devido à carência de opções ou falta de tempo para cozinhar,  as pessoas com este tipo de dieta veem-se, muitas vezes, obrigadas a consumir produtos processados, como comida pré-feita ou hambúrgueres congelados. Apesar de não serem prejudiciais para a nossa saúde a curto-prazo, devem ser a exceção e não a regra.

  1. As dietas vegetarianas e veganas garantem a perda de peso

Já lhe explicámos como a dieta vegetariana contribui para a perda de peso e para a redução dos problemas associados à obesidade. No entanto, “garantir” não é a palavra adequada para descrever esta relação, pois nem sempre acontece. Quando se exagera nos hidratos de carbono refinados e nos produtos processados, poderá levar ao aumento do peso, de gordura e problemas de saúde associados.

  1. Os vegetarianos não comem proteína suficiente

Quem é vegetariano, já está cansado de explicar aos pais, tios e avós onde vai buscar a proteína. E estão ainda mais cansados de destacar o facto de esses alimentos terem a quantidade suficiente para satisfazer a dose diária recomendada.

Entre os frutos secos, as alternativas à carne, como a soja e o seitan, e alguns legumes, entre os quais os espinafres, brócolos e couves, os vegetarianos são capazes de consumir a mesma dose de proteína que os omnívoros.

  1. A comida vegetariana é muito cara

Sim, os produtos processados são mais caros que os tradicionais. Não, a comida vegetariana não é mais cara que a dos omnívoros. Aliás, acaba por ficar até mais barata se optar pelos produtos listados nas linhas de orientação para uma alimentação vegetariana saudável da  Direção-Geral da Saúde (DGS). Já aqui falámos deles.

  1. Tem efeitos negativos no exercício físico

A ideia de que o músculo vem, unicamente, da carne não podia estar mais errada. O nutriente mais importante para conseguir esta meta no nosso corpo é a proteína e, como vimos anteriormente, isso não é algo que falte na dieta vegetariana. Há, inclusivamente, muitos atletas de alta competição com este tipo de alimentação que testemunham ter ótimos resultados no seu desempenho desportivo.

No entanto, como em qualquer outra dieta, é preciso ter atenção ao equilíbrio de nutrientes, nomeadamente do ferro, para evitar a fadiga e o cansaço.

  1.  Não se adequa a mulheres grávidas

Os níveis de ferro e vitamina B12 são essenciais numa gravidez, e a sua carência, na alimentação vegetariana, preocupa as mulheres nesta situação. No entanto, tal pode acontecer em qualquer dieta e não apenas nas vegetarianas e veganas. Desta forma, é preciso ter atenção a estes nutrientes e procurar alimentos que sejam ricos nos mesmos. Ainda assim, neste contexto, achamos que deve aconselhar-se com o seu médico ginecologista.

  1. Não são aconselhadas a crianças e recém-nascidos

Os nutrientes são sempre a maior preocupação, principalmente nas primeiras fases de vida do ser humano, onde são extremamente importantes. Contudo, já há estudos a enunciar que as dietas vegetarianas e veganas são capazes de garantir os nutrientes necessários às crianças e recém-nascidos, assim como a todas as outras faixas etárias, nomeadamente o ferro, o zinco, o cálcio e as vitaminas B12 e D.

Deve, então, planear-se bem as refeições e escolher ingredientes ricos nestes nutrientes, tal como se faz em todas as dietas.

  1. A soja aumenta os riscos de desenvolver cancro da mama

Já houve estudos a indicar que a grande quantidade de isoflavonas, antioxidantes presentes na soja, está associada com o aumento dos riscos de cancro da mama. Contudo, essa relação ainda não foi completamente comprovada, contrariamente ao leite de vaca, que está ligado ao aumento das probabilidades em desenvolver este tipo de cancro.

  1. Os vegetarianos e veganos deixam de comer o que mais gostam

Os bolos têm ovos, as bolachas, leite, e a lista continua. Os vegetarianos e veganos já não podem comer o que mais os satisfazia no seu dia a dia. Mas será mesmo esta a realidade?

A resposta é não! Já há muitas opções para substituir os produtos de origem animal de muitas receitas. Nomeadamente, brownies de chocolate feitos com feijão preto, e outras soluções que excluem os ovos e latícinicos, e ainda lhe dão uma dose proteica extra.

  1.  Comer em restaurantes torna-se mais difícil

É verdade que ainda há muitos restaurantes a conter opções limitadas para os vegetarianos e veganos. No entanto, se não se contenta com uma simples omelete ou uma dose de legumes salteados, há muitos locais por onde escolher.

Cada vez mais, há restaurantes a apostar na comida vegetariana e nós já os enumerámos para si.

A lista de mitos do vegetarianismo e veganismo continua e, enquanto fã deste tipo de dietas, já sabe que terá que replicar as suas explicações por várias pessoas. E nós cá estaremos para ajudar com algumas das razões.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.