A DIETA CASEIRA

Sofia Grangeio

Diário de uma ex-Obesa. Uma história de superação. Confissões, vitórias e derrotas contadas na primeira pessoa. Todas as semanas, Sofia Grangeio escreve uma crónica no site Escolher Viver.

Gente linda deste meu maravilhoso País, desde já desejo a todos um óptimo Ano de 2022 cheio de escolhas saudáveis!

Ficámos, na última crónica, mais uma vez com uma dieta muito pouco conseguida! Ou seja, conseguida por um ano, vá, e depois voltámos ao mesmo! Pois foi!! Mas não baixei os braços. Cansada de tentar, pensei, com os meus botões: “Porque não dar início a uma dieta caseira, já que, assim como assim, a teoria já a tenho, planos de dietas dos mais variadíssimos nutricionistas também. Pode ser que assim consiga obter resultados, porque me conheço-me bem!” Creio que muitos de vocês que sofrem e lutam contra o excesso de peso, já passaram por esta tentação: achar que podem obter melhores resultados do que os profissionais.

Assim como pensei, melhor e mais depressa coloquei em prática! Tracei objetivos, delineei metas! Fui à despensa de casa, dei toda a comida que continha hidratos de carbono, açúcares processados e afins (sim, que eu e o desperdício alimentar não nos damos bem…). Isto aconteceu a um domingo e no dia seguinte estava, concentradíssima, a fazer a lista de compras. Tudo apontado e lá vou eu até ao supermercado, cheia de sonhos, convicções, e vontade de iniciar (mais) uma dieta! Sempre com o pensamento “agora é que é”…

Basicamente, a dieta consistia em comer sete vezes ao dia, beber 2,5 litros de água e prática de exercício físico ou caminhada de 30 minutos diários em passo apressado! A coisa tinha um ar super profissional: Pequeno Almoço: 1/2 pão escuro torrado com fiambre de frango e um copo de leite com café sem açúcar; Meio da manhã: 5 amêndoas; Almoço: peixe ou carne grelhados com legumes cozidos; Primeiro lanche da tarde: 1 peça fruta da época; Segundo lanche da tarde: 1 queijo fresco; Jantar: sopa sem batata em qualquer quantidade; Ceia: 1 gelatina Zero açúcar.

Bom, esta dieta tinha tudo para dar certo, já que continha os alimentos que eu gostava mas rapidamente me dei conta que continha várias carências vitamínicas, pelo que, no final de duas semanas, mesmo com muita força de vontade, foco e persistência, eu sentia-me muito fraca, desconcentrada, sem vontade de fazer nada, com tensão baixa… Uma série de patologias que limitavam o meu dia a dia. Pensei “o que mudou para me sentir assim?” Resposta: “a alimentação!”.

Sem nada emagrecer, mais uma vez voltei a comer normalmente, mais uma vez a vingar-me na comida para compensar todas as frustrações! Mas com esta experiência aprendi uma lição, que não tenho problema em partilhar convosco: Não façam uma dieta sem acompanhamento profissional!!!

Não baixei os braços, arregacei as mangas, e atirei-me de cabeça em busca da nova fantástica dieta! Bora lá à nova busca por uma solução definitiva!
Até para a semana!

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.