Arroz ou esparguete: quem vence o duelo das calorias e dos nutrientes?

Izabelli Pincelli

Produtora de Conteúdos

Faça as suas apostas para um dos duelos mais famosos no que diz respeito à energia enviada ao nosso corpo: arroz branco ou massa? O jogo foi renhido até ao fim. E a vitória só foi conseguida nos últimos segundos…

Lidamos diariamente com diversas questões sobre as nossas escolhas alimentares, durante as nossas refeições: “Que alimento é mais saudável para o pequeno-almoço?”, “E para o jantar?”, “Qual a quantidade correta?”, “Será que devo consumir mais vegetais na segunda, para compensar as comidas gordurosas do fim de semana?”.  Apesar de sabermos as respostas a algumas destas perguntas, torna-se mais difícil quando tratamos de alimentos semelhantes.

Quando falamos do arroz branco e da massa, em especial o esparguete, estamos a tratar de dois dos principais alimentos ricos em hidratos de carbono e essenciais para a produção de energia ao nosso corpo. Quem está na luta para perder peso tem muitas vezes a sentença bem definida pelo profissional de saúde que o/a acompanha: reduzir no consumo de arroz ou esparguete. Enfim, depende
de nutricionista para nutricionista.

No entanto, por serem tão semelhantes a nível nutricional, questionamo-nos diariamente qual devemos consumir com mais frequência, para assim adquirirmos mais benefícios e minimizarmos os danos ao nosso corpo.

Por isso mesmo estes dois alimentos tão consumidos pela população portuguesa serão os protagonistas do mais recente duelo do Escolher Viver. Prepare as suas apostas e vamos lá:

Calorias

As calorias são caracterizadas pela quantidade de energia que os alimentos fornecem ao nosso corpo, mantendo o seu funcionamento. São essenciais para o nosso organismo e devem ser consumidas em equilíbrio, pois o seu excesso gera o acumular de gordura, tão preponderante no surgimento de diversos problemas de saúde, como o excesso de peso.

Cada 100g de arroz branco fornece cerca de 129 calorias, enquanto a mesma quantidade de esparguete fornece entre 135 e 142. Porém, apesar dos menores valores, é importante ter em conta que raramente consumimos o arroz sem um complemento e as calorias podem aumentar facilmente mediante o acompanhamento escolhido.

Apesar de não possuir a mesma variedade de complementos que o arroz, o mesmo ocorre com o esparguete, em especial com o acréscimo de molhos e queijo ralado. Por causa disso, é importante estar atento aos complementos escolhidos para ambos.

Portanto, tendo em conta o primeiro ponto, em relação ao valor energético, a primeira vitória vai para o arroz.

Gorduras

Enquanto 100g de arroz fornecem cerca de 0,28 gramas de gordura, no esparguete esse valor se eleva para 1,05 gramas.

A menor concentração apresentada no arroz faz com que esse alimento seja essencial para a redução de absorção de gordura pelo nosso organismo, sendo, assim, considerado mais saudável neste ponto. Além disso, diferente do esparguete, é isento de glúten.

Tendo em conta o segundo ponto, a vitória vai, novamente, para o arroz.

Índice glicémico

Apesar de ser pouco discutida em relação aos outros pontos, é uma característica muito importante, principalmente para os diabéticos.

O índice glicémico (IG) é um indicador caracterizado pela velocidade na qual os hidratos de carbono chegam aos nossos vasos sanguíneos, alterando os níveis de açúcar no sangue. Outro fator que anda de mãos dadas com o IG é a carga glicémica (CG), calculada através dos valores do mesmo e o teor de hidratos de carbono por 100g.

O esparguete, em relação ao arroz, apresenta níveis de IG e de CG mais baixos. Enquanto o arroz cozido contém um IG de 73 e uma CG de 23, o esparguete cozido apresenta 49 e 15, respetivamente.

O esparguete garante, assim, a sua primeira vitória.

Proteína e nutrientes

Apesar de ser um dos principais acompanhamentos de alimentos proteicos, o arroz branco sozinho, a cada 100g, apresenta apenas cerca de 3g de proteína e 0,8g de fibras. Sendo necessário complementos para aumentar os seus níveis de minerais e nutrientes.

Por outro lado, o esparguete apresenta o dobro: 6g e 2g, respetivamente. Na maioria dos casos, pode ser consumido como refeição principal, não necessitando de complementos para aumentar os seus benefícios nesses critérios.

Assim, o esparguete garante a sua segunda vitória e empata o jogo.

Hidratos de carbono

Nada mais justo do que trazer a base principal de ambos para o desempate! Os hidratos de carbono são responsáveis por dois fatores essenciais: a produção de energia no nosso corpo, garantindo um bom funcionamento, e a regeneração celular.

Segundo a Mayo Clinic, uma organização americana com foco em pesquisas médico-hospitalares, entre 45% a 65% das calorias que consumimos diariamente devem ser hidratos de carbono.

Dito isto, a cada 100 gramas de arroz branco, há cerca de 40 gramas de hidratos de carbono e, no esparguete, esse número desce para 25.

Portanto, quando o assunto é uma dieta rica em hidratos de carbono, o arroz vence.

FINAL

O grande vencedor é o arroz. Mas isso não quer dizer que deva excluir o esparguete e a massa em geral da sua alimentação! Até porque, como referido anteriormente, o esparguete ganha em certas batalhas.

Além disso, é necessário ter em mente que a versão integral de cada um apresenta valores menores que as normais, sendo assim mais adequadas para os que procuram emagrecer.

Através dos seus benefícios, ambos podem ser utilizados como foco em diferentes tipos de dietas. Dito isso, não se esqueça de estar atento aos nutrientes que o seu corpo precisa e adequar a sua alimentação perante as suas necessidades. Peça a ajuda de um profissional!

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.