Diabetes e infeções: cuidado com esse casamento que nos dá cabo da cabeça!

Diana Rosa

Jornalista

As infeções são reações do nosso corpo à invasão de agentes estranhos, que podem ser vírus, bactérias, parasitas ou fungos. Todos, ao longo da vida, estão sujeitos a infeções, mas os diabéticos, bem como outros doentes com sistema imunitário afetado, têm uma predisposição maior para as atrair. Saiba porquê.

A diabetes e as infeções têm uma relação muito estreita, e é preciso estar sempre atento a sintomas que possam indicar que algo não está bem. Sim, os diabéticos têm uma propensão especial para infeções. E porque será que é assim?

Contamos-lhe quais são os fatores de risco:

  • Glicemia elevada – os altos níveis de açúcar no sangue fazem com que o sistema imunitário fique  fragilizado e comprometido, contribuindo para que o organismo fique mais sujeito a problemas relacionados com infeções.
  • Problemas de circulação – os diabéticos têm maiores possibilidades de sofrerem de uma obstrução dos vasos sanguíneos, devido a ateroesclerose. O sangue transporta em si células de defesa do organismo. Ou seja, quando existe uma obstrução e o sangue não consegue fazer o seu circuito corretamente, as células boas não chegam onde é preciso para defenderem o organismo de uma infeção.
  • Neuropatia – os diabéticos têm uma propensão maior para desenvolver lesões nos nervos, nomeadamente em situações de descontrolo e falta de acompanhamento médico. É aqui que entram os pés. Quando o diabético desenvolve neuropatia, deixa de ter sensibilidade nas zonas afetadas. Caso se magoe ou se corte, não vai sentir dor, o que representa um perigo para a saúde, porque as lesões ou feridas não são identificadas de imediato.

Quais são as infeções mais comuns num quadro de diabetes?

Infeções respiratórias

Estima-se que um diabético tenha seis vezes mais probabilidades de contrair um vírus gripal ou outro tipo de infeção respiratória do que uma pessoa saudável. No entanto, existem vacinas que ajudam a prevenir o desenvolvimento de sintomas graves, como a pneumocócica ou a vacina da gripe.

Infeções de pele

Os pacientes diabéticos têm mais risco de desenvolver abcessos, furunculos e foliculites, uma vez que desenvolvem nichos da bactéria Staphylococcus aureus nas narinas. A sua multiplicação nos diabéticos tem uma ação 25% maior do que na restante população, o que faz com que torne a pessoa mais predisposta a desenvolver infeções cutâneas e nas partes moles.

Infeções urinárias

Os pacientes com diabetes também apresentam uma maior probabilidade de desenvolver infeções urinárias. As razões passam por descontrolo nos níveis de açúcar no sangue, microangiopatia diabética, alterações ergonómicas e funcionais no trato genital, níveis elevados de leucócitos, e recorrência de vaginites no caso das mulheres.

Infeção na boca

Que é caracterizada por dor, vermelhidão, inchaço, e por vezes bolhas e pus na gengiva. Ainda de referir que os diabéticos têm mais dificuldade na fase de cicatrização pós-cirurgia, o que implica que o organismo fique mais fragilizado e sujeito a possível contacto com bactérias e infeções durante o período de recuperação.

Pé diabético

A complicação mais conhecida que é associada à diabetes. É uma complicação crónica que leva muitas vezes a necessidade de tratamento hospitalar, e por isso os pacientes devem andar sempre atentos a esta questão. Numa fase mais avançada desta infeção, existe ainda a possibilidade de amputação do pé comprometido.

Quando ficar alerta e procurar o médico?

Bom, alerta deve estar sempre. E todos estas situações estão previstas pelo seu médico assistente, portanto a melhor forma de ter controlo sobre a situação, é comparecer nas consultas com a frequência recomendada pelo médico.

No entanto, existem sintomas aos quais deve dar especial atenção, tais como:

  • Mal estar físico
  • Feridas no corpo, principalmente se tiver febre, vermelhidão ou secreções como pus.
  • Inchaço ou piora da dor onde haja uma cicatriz ou um corte
  • Corrimento ou desconforto vaginal
  • Aumento drástico dos níveis de glicemia
  • Ardor ou dificuldade ao urinar
  • Placas na boca ou na língua

Como evitar as infeções?

Como tudo na vida, passa muito por se assegurar que está atento ao seu corpo e que tem hábitos de vida saudáveis, incluindo alimentação e exercício. Não saltar as consultas de rotina também é fundamental no caso dos diabéticos.

Os cuidados básicos para evitar o aparecimento de infeções são:

– Cuidados de Higiene – manter a pele limpa, cuidada e seca

– Usar luvas quando utilizar produtos de limpeza

– Lavar as mãos regularmente

– Não fumar

– Manter as vacinas em dia, nomeadamente a da gripe e pneumonia

– Escovar os dentes três vezes por dia, com uma escova macia, e usar fio dentário todos os dias

– Beber muita água e não segurar a urina

– Manter uma alimentação saudável, baseada em legumes, fruta e proteínas boas, evitando gorduras, doces e carnes vermelhas.

– Tomar sempre os medicamentos à hora certa, e fazer os tratamentos indicados pelo médico de forma escrupulosa.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.