DO CÉU AO INFERNO

Sofia Grangeio

Diário de uma ex-Obesa. Uma história de superação. Confissões, vitórias e derrotas contadas na primeira pessoa. Todas as semanas, Sofia escreve uma crónica no site Escolher Viver.

Amigas e Amigos, tudo gente fofinha, foi grande a minha ausência e já sentia saudades deste nosso encontro. Foi inesperada, imprevisível, involuntária, consequência do muito trabalho que tenho tido, mas já está tudo nos carris novamente, e vamos à nossa partilha.

Em que ponto ficámos? Lembro-me que vos tinha falado dos avanços e recuos nas tomadas de consciência, na procura de soluções, na insegurança e no medo de aceitar/ recusar tanta coisa que nos faz feliz, a que temos direito, mas que nos afasta do foco. É um estranho ciclo de vida: avanços e recuos, tomadas de consciência e esquecimentos, motivações e ansiedades, resiliência e tentações. Faz tudo parte desta enorme montanha russa. O que era mesmo bom era adormecermos “fofos” à noite e acordarmos magros no dia seguinte. É uma pena, mas não é possível.

É então chegado o momento de conversar convosco sobre mais algumas das formas de nos confrontarmos com esse demónio do excesso de peso. Ah, e das culpabilizações por não conseguir eliminá-lo. Sim, porque isso acontece-me a mim e creio não ser a única assim no universo. Convosco também, seguramente.

Uma vez, ao ler uma revista de atualidades, deparei-me com publicidade a uma dieta que prometia a perda de 8 quilos em 5 a 6 semanas, e em relação à qual li testemunhos que comprovavam a eficácia do método. Resolvi tentar, claro, sou sempre muito recetiva a anúncios tentadores, ehehehe.

Fui a uma consulta com a nutricionista da marca e, em conjunto, elaborámos um plano alimentar. Este plano constava de três fases:  numa primeira fase passava  pela ingestão de refeições fornecidas pela marca, que em poucos segundos ficavam prontas a ingerir. Estas refeições eram agradáveis e continham todos os nutrientes necessários. Nesta fase, que durava duas a três semanas, não era permitida a ingestão de qualquer outro alimento. Pensei que estava descoberta a fórmula para o sucesso! Em três semanas tinha perdido 5 quilos!!

Iniciei a 2.ª fase, em que comecei a introduzir alimentos previamente selecionados pela nutricionista e ao atingir as seis semanas já tinham voado os 8 quilos que a publicidade anunciava. Sentia a magia de ter conseguido atingir a primeira meta.

Dei então início à terceira fase, a de manutenção, em que eu já estava um pouco à minha mercê, consultas na nutricionista mais espaçadas, e em que, supostamente, já estaria habilitada a seleccionar alimentos e controlar as respetivas quantidades, bem como introduzir a atividade física. Era expectável, nesta fase, perder 2 a 3 quilos por mês.

E pronto, iniciou-se mais um falhanço. Nesta fase voltei a perder o foco, aos poucos fui comendo o que me dava conforto. Não vale a pena contar mais, pois não? Pois, está-se mesmo a ver… Ao fim de 3 ou 4 meses, vi-me com mais peso do que o que tinha quando iniciei esta dieta.

Em meu redor as pessoas continuavam a ver em mim aquela pessoa positiva, alegre e feliz, mas cá dentro a angústia de mais um falhanço ia-se instalando!

Para a semana darei conta da minha reviravolta e da decisão de nova tentativa.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.