É guloso? Conheça 7 formas de adoçar a vida. Sem açúcar, claro

Diana Rosa

Jornalista

Escreva na parede dez vezes: o açúcar é um veneno, o açúcar é um veneno, o açúcar é um veneno. Já está? Não se esqueça. Mas porque a vida não pode ser amarga, há que encontrar alternativas menos calóricas e menos perigosas para diabéticos. Mas atenção, mesmo as alternativas são para usar com moderação.

Se há coisa boa no meio da alimentação saudável, hoje em dia, é que se abriu todo um mundo de alternativas saborosas, gulosas e que nos deixam tão felizes como comer açúcar à colher.

Ele é stevia, ele é açúcar de coco… enfim, um leque de oportunidades de cometermos pecados menos mortais e mais vitais!

Como sabemos, o açúcar é inimigo da diabetes, obesidade, cancro… é inimigo de tudo e mais alguma coisa. Mas nós, portugueses, não abdicamos de um bom docinho, ou mesmo de acrescentar algumas notas adocicadas aos nossos lanches. Só que, segundo os conselhos da Organização Mundial de Saúde, o consumo diário de açúcar não deve exceder as seis colheres de chá, contando com o açúcar já existente em tudo aquilo que comemos, e que nem vemos.

Tendo em conta estes parâmetros, a melhor forma de evitar os malefícios deste ingrediente é substituí-lo por outras alternativas mais saudáveis, que como é escusado dizer, também não é para abusar! Lembre-se que tudo o que é doce, é de evitar.

Vamos então conhecê-las.

Açúcar de coco

Produzido a partir da seiva do coqueiro, é menos processado do que o açúcar refinado e tem uma ligeira presença de alguns nutrientes como o potássio, cálcio, ferro e zinco. Conta também com propriedades antioxidantes, como flavonoides, polifenóis e antocianina.

Cada colher de chá deste açúcar contém cerca de 20 calorias e, por ter um elevado teor de frutose, deve ser consumido com moderação para não provocar efeitos adversos, como o aumento de peso ou a gordura no fígado.

Mel

É um adoçante que já faz parte das receitas das gerações mais ancestrais e também tem o seu lugar nesta lista. Ainda assim, talvez seja dos que tem mais semelhanças ao açúcar no que diz respeito aos seus efeitos. Não se deve comer mais do que meia colher de sopa por dia e o seu consumo pode afetar os níveis de insulina de diabéticos. Ainda assim, não é tão vazio de nutrientes como o açúcar refinado, uma vez que é rico em aminoácidos, antioxidantes, enzimas, minerais e vitaminas.

Stevia

É a rainha das drageias adoçantes para se utilizar no café. Extraído da planta com o mesmo nome, é um edulcorante 100% natural e compreendemos que o seu sabor não seja propriamente o mais agradável desta lista. No entanto, tem um poder adoçante bastante maior do que o açúcar refinado e não se observam efeitos adversos, para além de ser isento de calorias. É uma boa alternativa para quem quer perder peso e para diabéticos, uma vez que controla os níveis de açúcar no sangue.

Xilitol

Este é uma ótima opção para adoçar os seus bolos, sobremesas, iogurtes, pequenos-almoços ou lanches. Este adoçante tem um teor glicémico reduzido, sendo um dos substitutos do açúcar mais aconselhados pelos nutricionistas por ser extraído de vegetais, fruta ou cogumelos.

Existem alguns estudos que dizem que o xilitol pode ser um aliado à osteoporose, e que em termos energéticos tem cerca de 40% menos calorias do que o açúcar refinado. No entanto, não é para consumir sem regras, pois pode provocar diarreia, gases e inchaço.

Xarope de ácer

Ou Maple Syrup, como muitas vezes vemos nos frascos que contêm este adoçante. É originário do Canadá e é extraído de uma árvore chamada Acer Nigrum ou Bordo, em português. É ideal para regar as suas panquecas fit ou a sua granola, e a grande diferença entre este adoçante e o açúcar é o facto de ter baixo índice glicémico (apesar de ter calorias, claro) vitaminas, minerais e antioxidantes.

Eritritol

Da mesma origem do xilitol, mas com um teor calórico próximo de zero, está este adoçante natural. O eritritol tem aproximadamente 70% da capacidade de adoçar do açúcar, e é indicado para pessoas que sofram de obesidade, diabetes, ou simplesmente procurem uma alternativa saudável. Esta substância está presente naturalmente em alguns alimentos como melão, pera e uva, e alimentos fermentados como molho de soja ou mesmo vinho. Normalmente, é vendido em forma de pó e pode ser utilizado de quase todas as formas, como em bolos, sumos ou café.

Taumatina

Talvez a mais desconhecida do reino dos adoçantes que aqui estamos a tratar, espante-se! A taumatina tem um poder de adoçar em mais de 2000 vezes em relação ao açúcar refinado! É feita à base de proteína e, portanto, não tem impacto nos níveis de glicose no sangue nem estimula o aumento de gordura. É uma opção verde para diabéticos e obesos. O seu teor calórico é igual ao do açúcar se for ingerida nas mesmas proporções. Mas como tem um poder tão elevado de adoçar, a quantidade ingerida é manifestamente menor.

Alguns destes adoçantes como o mel, a stevia e o xarope de ácer, já encontramos facilmente em qualquer supermercado. Relativamente àqueles que não conseguir encontrar nas grandes superfícies, dirija-se a uma loja de produtos naturais e atualmente já pode comprar a preços simpáticos, para além do que estas alternativas normalmente duram muito tempo até os acabar.

Adoçámos o seu dia?

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.