“Falsa Vegana: Fama. Fraude. Fuga”. Uma receita criminal que não inclui carne

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Um dos mais recentes lançamentos da Netflix intriga os adeptos das dietas de origem vegetal. Mas asseguramos-lhe que a minissérie, composta por quatro episódios, nada tem a ver com o desfasamento do veganismo, apenas de um dos nomes mais conhecidos no meio.

“Falsa Vegana: Fama. Fraude. Fuga” é a nova minissérie documental da Netflix, estreada a 16 de março, que conta a história de Sarma Melngailis, uma celebridade norte-americana, que devia a sua fama aos seus restaurantes veganos, “Pure Food and Wine” e “One Lucky Duck”. Situados em Nova Iorque, são popularmente conhecidos nos Estados Unidos da América, tendo sido, inclusivamente, reconhecidos por Alec Baldwin, Bill Clinton e Howard Stern.

Após o sucesso de “Tiger King”, o produtor Chris Smith traz um novo enredo de arrepiar, explorando a história do ícone da cozinha vegana, cuja reviravolta na vida lhe atribuiu um novo título: “a vegana fugitiva”.

Baseado numa história verídica, a minissérie acompanha a vida de “uma chef famosa que constrói um império baseado em alimentos crus, mas o seu caminho para o sucesso enfrenta um obstáculo quando ela se apaixona por homem misterioso”, conforme diz a sinopse da Netflix.

Já muito bem sucedida no meio da comida vegana, Sarma Melngailis procurava alguém para apimentar a sua vida amorosa e acabou por encontrar um homem, no Twitter, em 2011, chamado de Shane Fox, cujo nome verdadeiro era Anthony Strangis. A chef apaixonou-se por ele, depois de este prometer expandir o seu negócio e de conseguir imortalizar o seu cão, com

O casal conseguiu roubar cerca de dois milhões de dólares dos restaurantes, deixando de pagar aos seus funcionários, enganando os seus investidores e gastando todo o dinheiro em hotéis, relógios e casinos.

Após 40 dias a fugir das autoridades, acabam por ser apanhados num motel, no estado de Tennessee. O casal foi traçado pelo nome que estava no talão de uma encomenda feita à pizzaria Domino´s: Anthony Strangis, o verdadeiro nome do homem.

Os dois foram condenados por fraude fiscal e furto, em 2017. A chef passou quatro meses na prisão, nesse mesmo ano, e pagar o que devia aos seus funcionários, enquanto que o seu companheiro foi sentenciado a um ano de prisão e cinco em condicional. Além disso, teve que pagar 840 mil dólares aos investidores.

Em relação ao documentário, Sarma Melngailis admitiu, no seu website, ter tido uma participação ativa, tendo sido, inclusivamente, paga pelas entrevistas que realizou, de forma a angariar dinheiro para pagar aos seus funcionários. “Eu acho que ‘Falsa Vegana’ transmite o que toda a gente que me conhecia percebeu, ou seja, que eu sempre fui muito próxima de muitos dos meus funcionários, ao longo dos anos, e que magoá-los intencionalmente seria a última coisa que eu faria”, afirma.

A ex-chef admite ainda: “Estou humilhada e envergonhada por todos os danos que causei, mas tenho trabalhado de forma a reconstruir a minha base forte de auto-confiança e auto-consciecialização”.

É certo que não lhe falámos de receitas. Nem tampouco lhe apresentámos benefícios da comida vegana. Mas esclarecemos tudo o que deve saber sobre a nova minissérie de true crime, que aborda temas do mundo vegetal.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.