Gravidez: dicas úteis para não engordar mais do que a conta

Diana Rosa

Jornalista

A gestação é um período de grandes mudanças na vida e no corpo da mulher. Uma das alterações mais frequentes é o aumento de peso e a vontade de comer tudo e mais alguma coisa para satisfazer os desejos neste período em que a fome aumenta, e em que vale tudo para alimentar este estado de graça. O pior é que, por vezes, quando dá por si já ganhou demasiados quilos, que depois do parto tornam-se um castigo para conseguir perder. Algumas mulheres não conseguem mesmo voltar à forma que tinham antes de engravidar.

Os cuidados com a dieta são importantes ao longo da gravidez, não só pela saúde do bebé, como também pela sua. Mas não pense que fazer uma alimentação saudável significa andar a contar calorias nem cortar em alimentos essenciais. Não é altura para isso. O importante é que tenha em atenção a qualidade nutritiva dos produtos de tem à mesa. É bom que comece por estabelecer as refeições que vão fazer parte do seu dia, como pequeno almoço, almoço, lanche e jantar. Tenha em conta o que a natureza nos traz e a sazonalidade dos produtos, pois é a melhor referência daquilo que pode precisar no momento em que está a desenvolver uma gravidez. Outro truque fundamental é dar importância máxima à hidratação, nomeadamente através do consumo de água. A água vai ajudá-la a controlar a fome, e ao mesmo tempo manter o corpo a funcionar da melhor maneira, eliminando toxinas desnecessárias e fazendo com que os órgãos mantenham o seu vigor. 

Mas afinal quanto posso engordar?

Não nos cabe a nós pré-estabelecer um número exacto. Na verdade, existem valores estimados para a generalidade das pessoas, mas vai sempre depender de cada situação, de quantos quilos a mais ou a menos tinha antes de engravidar (e também de quantos bebés está grávida). Nada como fazer essa questão ao seu médico. Não é bom ter peso a menos durante a gravidez, mas ter peso a mais também não. Estima-se que, numa gravidez convencional, a gestante aumente de peso em dois quilos no primeiro trimestre, e daí em diante adicione meio quilo por semana. Mas isso é muito se já tiver excesso de peso. O ideal é que tenha um nutricionista a fazer um acompanhamento próximo durante estes nove meses, mas também nos meses seguintes ao parto.

O que não posso comer?

Essencialmente corte nas gorduras e no açúcar. Não é nutritivo, nao é saciante, não vai trazer qualquer benefício à saúde e à saúde do bebé. Escolha proteínas magras, aposte nas fibras e dê elevada primazia a frutas e legumes, pelo seu valor nutritivo e pelo elevado teor em vitaminas. Não exagere nas carnes vermelhas, prefira pão, massas e arroz integrais, coma doces apenas uma vez por semana, e abdique dos fritos sempre que possível. O peixe é uma boa fonte de gordura saudável, que traz muitos benefícios, nomeadamente os que são ricos em ómega-3, tal como o salmão, sardinha, atum e cavala. 

Quando comer, mastigue devagar para que se sinta saciada com a quantidade certa de comida, e não fazer repetições motivadas por gula. Além disso, vai facilitar-lhe a digestão e evitar sintomas típicos de azia, enfartamento e má disposição. 

Tenha em consideração a forma como cozinha os alimentos, pois isso vai dizer muito sobre a saudabilidade da sua refeição. Prefira grelhados, cozidos e assados com um fio de azeite. 

E o exercício?

É uma boa pergunta, porque é muitíssimo importante que não se esqueça da atividade física neste momento da sua vida. Na realidade, deve sempre fazer parte do seu dia a dia. Mais ainda quando está grávida. A intensidade do exercício que é aconselhado que faça nesta fase vai depender da sua rotina anterior à gravidez. Mas mesmo que não tenha o hábito de se exercitar, aqui está um bom pretexto para começar a fazer umas boas caminhadas diárias. Pelo menos meia hora por dia vai fazer toda a diferença, trazer-lhe saúde e ainda ajudar a manter um peso aceitável. Não exagere na intensidade, mas insista no exercício regular. 

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.