Hidroterapia: a atividade que ajuda a tratar e a prevenir várias doenças

Ana Sofia Veiga

Aluna de Jornalismo e Comunicação da ETIC

Utiliza a piscina somente para nadar, para se divertir ou até mesmo para fazer hidroginástica? Olhe que há mais uma atividade que pode fazer, a hidroterapia. Uma atividade com muitos benefícios para a saúde, que pode ser realizada pelas diversas faixas etárias. Mas o que é exatamente a hidroterapia? Vamos descobrir.

A hidroterapia, ou fisioterapia aquática, combina a utilização dos efeitos da imersão e das propriedades físicas da água, com a aplicação das técnicas específicas de fisioterapia. Ou seja, esta atividade tem como principal objetivo a reabilitação, podendo ser aproveitada para tratar patologias das áreas de reumatologia, neurologia e ortopedia ou para a recuperação pós-operatória.

A hidroterapia – orientada por fisioterapeutas – consiste num conjunto de exercícios físicos realizados em piscinas terapêuticas, com a temperatura da água entre os 32º e 35º C.

Quanto maior é a imersão do paciente, menor é o peso. Logo, menor é a carga originada pelo peso do corpo sobre as articulações e os ossos. Simultaneamente, mantém-se a resistência e estimula-se o fortalecimento dos músculos, sem provocar lesões noutras partes do corpo.

Pode ser praticada individualmente ou em grupo, mas vai sempre depender da condição física da pessoa e do problema a tratar.

Os seus benefícios

A temperatura, a flutuação, a imersão, a densidade, a pressão, a viscosidade, o fluxo, a resistência provocada pela água e o exercício aquático promovem diversos benefícios para a saúde, o que possibilita a melhoria do paciente. São eles:

  • Alívio da dor;
  • Relaxamento muscular;
  • Aumento da amplitude das articulações;
  • Melhoria da tolerância ao esforço;
  • Diminuição de edemas (inchaço);
  • Recuperação de lesões, como entorses e no pós-operatório;
  • Aumento da força muscular;
  • Melhoria da resistência cardiorrespiratória;
  • Diminuição dos espasmos musculares;
  • Promoção do equilíbrio e da coordenação;
  • Alongamento dos músculos;
  • Melhoria da circulação sanguínea;
  • Diminuição do impacto sobre as articulações e ossos;
  • Aumento do débito urinário;
  • Redução da sensibilidade à dor;
  • Maior liberdade de movimentos;
  • Diminuição do risco de doenças cardiovasculares, diabetes e colesterol alto;
  • Melhoria da postura;
  • Promoção da interação social (caso seja em grupo);
  • Relaxamento, que leva a uma diminuição da ansiedade e stress;
  • Sensação de bem-estar físico e psíquico.

Há também a sensação de que a atividade física fica mais fácil do que fora de água e o conforto do paciente proporciona mais confiança na execução dos movimentos.

Para os mais velhos (principalmente), a hidroterapia tem outro benefício particular: ajuda a prevenir quedas, tendo em conta que melhora o funcionamento dos músculos e aumenta a mobilidade.

Este exercício terapêutico na piscina é muito utilizado em idosos, visto que ajuda a tratar de doenças como:

  • Fibromialgia;
  • Dores articulares;
  • Artrite, artrose ou reumatismo;
  • Fraturas ou hérnias discais;
  • Inchaço nas pernas;
  • Lombalgias;
  • Lesões musculares;
  • Dificuldade respiratória.

Desta forma, a fisioterapia aquática pode contribuir para alcançar a autonomia funcional e melhorar o desempenho das atividades diárias, devolvendo qualidade de vida aos pacientes.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.