Já experimentou fazer meditação? Olhe que, se calhar, é do que está a precisar…

Diana Rosa

Jornalista

Não é preciso fazer um retiro numa paragem distante. Se puder ir, vá, mas fique já a saber que meia hora pode chegar. Mas se é para fazer, é para levar a sério. De nada valerá se a sua ideia for confirmar as certezas sobre as suas dúvidas. Vá, limpe a cabeça. A meditação é uma forma de reforçar a sua concentração, afastando outros pensamentos.

Se é cético, vamos lá desmistificar o assunto. É verdade que os monges budistas fazem longos períodos de silêncio ou meditação. Também é verdade que as culturas orientais são ligadas a esta prática há milhares de anos contrariamente aos povos do ocidente. Mas este conceito não tem obrigatoriamente a ver com religião ou com espiritualidade. A meditação, por si só, é nada mais nada menos do que esvaziar a mente de pensamentos, problemas, preocupações. É atingir (ou tentar…) um período de relaxamento cuja duração é definida por casa pessoa, e restaurar o corpo e a mente.

O stress é um dos piores inimigos do século XXI. Provoca doenças do foro psicológico, mas acredite, do físico também. Não imagina a quantidade de doenças, dores e outros sintomas que este malvado nos pode causar. Doenças cardíacas, respiratórias, digestivas, motoras, tudo! E portanto, é cada vez mais importante tirar uns minutos para si, ao início ou ao final do dia, para se encontrar com o seu Eu, para respirar, oxigenar o sangue, o cérebro, e como se costuma dizer, alinhar os chakras. Como se costuma dizer: “mente sã, corpo são”. Não, não lhe estamos a vender um qualquer milagre, mas pode ajudar a descomplicar. Não acredita? Venha daí!

O que é?

Para uma abordagem mais básica, vamos simplificar e afastar-nos da meditação relacionada com Yoga, Tai-chi, e outras práticas mais profundas. A meditação é uma prática que, como foi referido, surge ligada a filosofias orientais. Mas, nas últimas décadas, este conceito tem sofrido algumas alterações que se adaptam à realidade do ocidente, nomeadamente ao que diz respeito ao seu afastamento do campo espiritual. O ato de meditar em si é, tão somente, a arte de conseguir manter o foco e a atenção no momento presente, desligando-se de qualquer pensamento ou distração. Parece fácil, mas não é.

A respiração tem um papel fundamental neste momento, uma vez que é o principal foco da nossa concentração, e uma ferramenta poderosa para alcançar o objetivo.

À primeira vista pode sentir-se frustrado, mas é normal. Esta prática requer treino e repetição. Quanto menos se deixar distrair, mais equilíbrio emocional e mental vai conseguir obter.

Como fazer?

A meditação pode ser acompanhada por alguém que o oriente, ou em locais próprios, como aulas. Mas vamos deixar-lhe aqui 5 passos para começar a meditar em casa.

1º Escolha uma hora do dia em que tenha entre 5 a 20 minutos para dedicar a si.

Habitualmente, os melhores momentos são ao acordar ou antes de dormir. Se pretender praticar pela manhã e tiver uma agenda repleta de compromissos, não esteja sempre a conferir as horas no relógio. Coloque um alarme para quando pretende terminar e não fique nessa ansiedade.

2º Eleja um lugar tranquilo.

Pode fazê-lo na cama, numa poltrona, no sofá, no carro, onde quiser. Mas o mais importante é que esteja em silêncio, num sítio onde se sinta confortável, e sem distrações.

3º Coloque-se numa posição confortável

É fundamental que adote uma posição em que tenha os ombros relaxados, a coluna direita, e o pescoço alinhado. A posição tradicional da meditação é a de lótus, em que se senta com as pernas cruzadas e com os cotovelos sobre as coxas. Mas se quiser fazer deitado, por exemplo, também é uma excelente opção. O importante é que esteja direito, com mãos e pés assentes e o corpo relaxado. Feche os olhos, e sinta os seus músculos, pernas, braços, mãos e dedos a ficarem cada vez mais pesados, relaxados. Uma de cada vez, foque-se em cada parte do seu corpo em contacto com a superfície onde se encontra.

4º Controle a respiração

Concentre-se no movimento da respiração, e tire total partido dos seus pulmões. Inspire lenta e profundamente pelo nariz, sinta o ar a entrar pelas narinas, depois a passar pela garganta, até chegar aos pulmões. Foque-se no diafragma a subir e a descer enquanto respira.

5º Concentre-se

Tradicionalmente, existem mantras associados à meditação para ajudar na concentração e no foco. Um mantra pode ser um som ou uma expressão que, repetida várias vezes, consegue manter o seu foco naquele momento presente. O “Om” é o mais famoso de todos, mas pode encontrar outro que o ajude a abstrair-se do que o rodeia.

Quais são os benefícios da meditação?

– Diminui o stress

– Melhora o sistema imunitário

– Previne a depressão e ansiedade

– Melhora a qualidade do sono

– Ajuda a enfrentar as tarefas do dia a dia

– Ajuda a priorizar e relativizar os problemas

– Reforça o sistema cognitivo

– Melhora a memória e a concentração

– Previne a hipertensão

– Ajuda na redução da dor física

– Ajuda no combate a vícios

A meditação pode ser praticada por pessoas de qualquer idade, não precisa de equipamentos nenhuns, a não ser de força de vontade e foco. Pense que tirar uns minutos para si é benéfico para a sua saúde, para o seu humor, e na sua relação com os outros.

Hoje em dia há dezenas de aplicações disponíveis para ter no seu telemóvel e que o podem guiar nesse momento.

Experimente. Vai ver que se vai sentir melhor e que, a longo prazo, tem efeitos muito benéficos!

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.