Maria ou Água e Sal. Quem vence o duelo das bolachas?

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Juntam-se no ringue duas bolachas muito aclamadas pelos portugueses. De um lado, a Maria, introduzida desde cedo e muito versátil. Do outro, a água e sal, um grande snack para os finais de tarde. Mas quem sairá vencedora, tornando-se na bolacha mais saudável?

No topo das bolachas mais consumidas pelos portugueses, têm parte ativa da vida das crianças e dos idosos e são incluídas em diversas receitas diferentes, assim como em lanches quando não há mais nada na despensa.

Antes de darmos início à partida, é necessário apresentar cada um dos participantes e a sua respetiva informação nutricional. Preparem-se para fazer barulho!

Bolacha Maria

A carga nutricional de cada um dos tipos de bolacha tem muitas variações, estando dependente da marca que as produz. No entanto, em média, a cada 100g, é possível encontrar seguintes valores nutricionais:

  • Energia (Kcal): 436
  • Lípidos (g): 12,2
  • Ácidos Gordos Saturados (g): 5,9
  • Hidratos de Carbono (g): 72,0
  • Açúcares (g): 21,5
  • Fibra (g): 2,1
  • Proteína (g): 8,4
  • Sal (g): 1,1

Bolacha de Água e Sal

Tal como a bolacha Maria, a informação nutricional da bolacha de água e sal também varia de acordo com as diferentes marcas. Mas a média, a cada 100 g, é de:

  • Energia (Kcal): 450
  • Lípidos (g): 17,8
  • Ácidos Gordos Saturados (g): 7,6
  • Hidratos de Carbono (g): 61
  • Açúcares (g): 1,4
  • Fibra (g): 3,2
  • Proteína (g): 9,8
  • Sal (g): 1,4

Apito inicial

A análise da composição nutricional já nos dá uma ideia de quem tem mais chances de vencer a partida, mas não nos precipitemos que a bolacha de água e sal ainda poderá vir a ganhar terreno.

Primeiro round – Sal

O Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge realizou, em 2015, um estudo sobre a comparação da qualidade nutricional da bolacha Maria e da bolacha de água e sal.

Ao avaliar 15 marcas, sete de bolacha Maria e oito de água e sal, conseguiu provar que as últimas continham o dobro de sal, comparativamente às primeiras.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aconselha uma ingestão diária de sal, para adultos, inferior a 5g e “uma porção (35g) das bolachas de água e sal analisadas pode contribuir com 13%” dessa recomendação. Já a bolacha Maria contribui apenas com 5%, sendo menos prejudicial para a nossa saúde.

Dito isto, a bolacha Maria ganha o primeiro round, por ser mais benéfica, em relação às quantidades de sal.

Segundo round – Gordura

Outro critério tido em consideração, neste estudo, foi a gordura. A OMS recomenda uma ingestão diária de 70g, para um adulto e ambos os tipos de bolacha não se diferenciam muito nas quantidades de gordura presentes, variando entre os 12,2 e os 17,8 por 100 g.

No entanto, também é necessário referir o tipo de gordura que é utilizado, nomeadamente os ácidos gordos, que, como explica o estudo, estão associados a “um aumento no risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, entre outras doenças crónicas”.

É ainda evidenciado que “esta relação é mais forte com os ácidos gordos saturados de cadeia média”, que são encontrados em “67% dos produtos analisados”.

Apesar de existirem pequenas diferenças nos valores de gordura presentes, ambas as bolachas contêm quantidades muito elevadas e prejudiciais à saúde. Dito isto, o segundo round é determinado como um empate.

Terceira round – Hidratos de Carbono / Açúcares

A diferença entre os hidratos de carbono não é muito significativa. O que difere muito é a quantidade de açúcar. A Bolacha Maria tem 72 gramas de Hidratos por 100 gramas, entre os quais 21,5 gramas de açúcar. Já a bolacha de água e sal só tem 1,4 gramas de açúcar.

Round final – Qual a vencedora?

De acordo com o estudo, “as bolachas de água e sal analisadas apresentam teores superiores de gordura total e de sal”. Dito isto, a vitória pertence à bolacha Maria. Cuidado com os valores de açúcar no sangue se for diabético.

Contudo, não pense que pode usufruir deste tipo de bolachas sem ter quaisquer consequências, pois, como o estudo conclui, “as bolachas analisadas, de forma geral, continuam a apresentar teores elevados de gordura saturada”.

Além disso, há marcas que, ao tentar imitar a bolacha Maria e a de água e sal, acabam por usar o dobro do sal e da gordura utilizados tradicionalmente. Por isso, os autores do estudo reforçaram a necessidade de estabelecer “ metas que permitam a reformulação gradual destes alimentos”.

Por isso, embora a bolacha Maria saia vencedora deste duelo, deve ter cuidado com esta e qualquer outro tipo de bolacha e ter atenção à informação nutricional.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.