Outubro é o mês do cancro da mama. Prevenir continua a ser a palavra de ordem

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Outubro é o mês da prevenção do cancro da mama, com o dia 30 a ser considerado o Dia Nacional da Luta contra o Cancro da Mama. Uma realidade que toca à porta de muitas mulheres e continua a vitimar 1.800 mulheres por ano. O diagnóstico precoce é essencial e, apesar de os fatores de risco serem diversos, há hábitos alimentares e de estilo de vida que podem concorrer para prevenir a doença.

Em Portugal, com uma população feminina de 5 milhões, foram diagnosticados, em 2020, cerca de 7.000 novos casos de cancro da mama e 1.800 mulheres morreram com esta doença. Os números são da Liga Portuguesa contra o Cancro, que apela à sensibilização das mulheres para o diagnóstico precoce, através do exame clínico e da mamografia.

O cancro da mama é contraído, através dos gânglios linfáticos localizados perto da mama (nas axilas, acima da clavícula, no peito e noutras zonas). Estes atuam na retenção de bactérias, as células cancerígenas ou outras substâncias, que podem estar no sistema linfáticos. Quando isto acontece, as células cancerígenas ficam apreendidas nos gânglios linfáticos perto da mama.

Há uma tendência para tal acontecer em pessoas com certas características, obedecendo a diversos fatores de risco, explicados pelo site Cancro Online.

Fatores de Risco do Cancro da Mama

  • Sexo Feminino – As mulheres são o alvo do cancro da mama. Apenas 1 em cada 100 cancros se desenvolvem no homem;
  • Raça – As mulheres caucasianas têm uma maior probabilidade de desenvolver cancro da mama, em comparação com mulheres Asiáticas, Latinas ou Afro-Americanas;
  • Idade – À medida que a mulher envelhece, os riscos de cancro da mama vão aumentando. É menos comum antes da menopausa;
  • Historial de cancro da mama – Uma mulher que já teve cancro numa das mamas, tem grande probabilidade de contrair um novo cancro na outra mama;
  • Alterações mamárias – Historial de hiperplasia atípica (acumulação de células anormais nos tecidos mamários) ou de cancro lobular;
  • Histórico familiar – Se já tiver havido casos na família de cancro da mama, em especial, familiares de primeiro grau, a mulher tem o dobro da probabilidade de desenvolver cancro da mama, em comparação com uma histórico familiar. No entanto, o risco será o triplo se o cancro tiver sido diagnosticado antes da menopausa;
  • Primeira gravidez depois dos 31 anos;
  • Ter poucos ou nenhum filho;
  • Obesidade – visto que aumenta a gordura corporal e a produção de alguns estrogénios (hormona feminina) no tecido gordo;
  • Exposição a estrogénios – primeira menstruação precoce (antes dos 12 anos), menopausa tardia (depois dos 55 anos);
  • Consumo de álcool;
  • Inatividade física

Formas de prevenir o Cancro da Mama

Embora muitos dos riscos que falámos anteriormente sejam genéticos, há vários fatores que podemos controlar, diminuindo as probabilidades de desenvolver cancro da mama.

  1. Controlo do peso

Como já referimos, a obesidade é um fator de risco muito importante do cancro da mama, por isso, ao controlar o seu peso, está diretamente a diminuir diversos tipos de cancro, entre os quais o da mama.

  1. Atividade física

Para além de auxiliar no controlo do peso, também é essencial manter um estilo de vida saudável e ainda diminuir os riscos de cancro da mama.

  1. Evitar o consumo de álcool

Uma alimentação saudável é muito importante para a redução da probabilidade de desenvolver, especialmente se esta não incluir o consumo de álcool. Tente beber moderadamente, cerca de uma bebida por dia.

  1. Deixe de fumar

O tabaco é responsável pelo aumento de diversos problemas de saúde, como doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC) e de cancro, incluindo o da mama.

  1. Amamentação

A amamentação é capaz de reduzir os riscos de cancro da mama. Por isso, se conseguir, tente amamentar o máximo de tempo possível, pois também fornece diversos benefícios para a saúde dos seus filhos.

  1. Evitar a pílula

São conhecidos os diversos riscos que as pílulas podem ter, no organismo feminino, entre os quais o desenvolvimento de cancro da mama. Dito isto, é importante largar a toma da pílula, especialmente se tiver mais de 35 anos ou se fumar;

  1. Evitar o tratamento de reposição hormonal

Há imensas vantagens em optar por este tratamento, mas uma das desvantagens são os problemas de saúde associados, como a osteoporose, doenças cardíacas e o cancro da mama. Por isso, se não quiser evitar este tipo de tratamento, então realize-o no menor tempo possível.

É importante realçar que estes são apenas alguns dos cuidados que deverá tomar, para prevenir o cancro da mama. No entanto e como já referimos noutras publicações, não somos médicos, pelo que recomendamos a consulta de um especialista antes de optar por algumas das dicas presentes na lista.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.