Rúcula: uma preciosidade desde os tempos da Roma Antiga

Izabelli Pincelli

Produtora de Conteúdos

Não é por acaso que, na antiguidade, os romanos comiam a rúcula para dar sorte e que as chamadas “bruxas” a utilizavam para fazer as poções de amor. Este vegetal apresenta um amplo leque de benefícios e não deve ser deixado de fora da sua dieta!

A rúcula tem a sua origem no Mediterrâneo e é da mesma família de vegetais da couve, da couve-flor e dos brócolos.  É um vegetal verde-escuro bastante versátil, podendo ser utilizado em saladas ou como complemento em pizzas, nachos, wraps e sanduíches. Outro facto interessante é que as suas flores e sementes, assim como as folhas, também são comestíveis.

Na sua versão natural, além de acrescentar um gosto mais apimentado às saladas e aos pratos frios, também pode ser mastigada para combater o hálito azedo. Já quando aquecida, pode ser uma alternativa ao manjericão, nos pratos quentes. Mas a sua utilização não fica por aí! A rúcula também é um ingrediente essencial para sumos e smoothies verdes.

O seu amplo leque de antioxidantes, minerais e nutrientes, como o cálcio, o potássio, o fósforo e as vitaminas (A, B, C e K) trazem inúmeros benefícios à nossa saúde. Conheça alguns:

Reduz inflamações

A vitamina C, juntamente com a clorofila, um pigmento verde natural presente na rúcula, possuem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, ajudando o corpo a eliminar toxinas com mais facilidade. A vitamina C também é conhecida por melhorar o funcionamento do sistema imunitário e, quando consumimos alimentos ricos em ferro, auxilia na absorção desse mineral.

Auxilia na perda de peso

A clorofila, referida anteriormente, e a presença de fibras são essenciais para quem está à procura de emagrecer. A rúcula também possui um baixo nível de calorias (25 por cada 200 gramas), podendo ser consumida em quantidades maiores que irão proporcionar uma sensação de saciedade.

Previne malformações fetais

Rica em ácido fólico, também conhecido como vitamina B9, a rúcula contém um nutriente essencial para o desenvolvimento humano. Este auxilia na produção de ADN e de outros tipos de materiais genéticos. Por causa disso, é essencial para mulheres grávidas, pois a sua carência pode causar espinha bífida, uma anomalia na formação do tubo neural dos bebés.

Protege os ossos e previne a osteoporose

A vitamina K é essencial para a saúde dos nossos ossos, pois auxilia numa maior absorção de cálcio. Além de ser rica na primeira, a rúcula também possui minerais como o fósforo, magnésio e elevados níveis de cálcio, sendo que estes chegam a ser oito vezes maiores do que os presentes na alface americana. Cada meia chávena de rúcula contém cerca de 11 microgramas de vitamina K, sendo que três chávenas por dia são responsáveis por fornecer 100% das necessidades do nosso corpo acerca desta vitamina.

Previne doenças cardiovasculares

A presença da vitamina K também traz outros benefícios como uma melhor coagulação do sangue, prevenindo a hipercalcemia (níveis elevados de cálcio nas artérias). Já a vitamina C e os carotenóides, conhecidos como luteína e zeaxantina, são antioxidantes importantes que reduzem os danos causados pelo stress oxidativo, prevenindo graves doenças cardiovasculares.

Auxilia na hidratação

Sendo composta por 90% de água, a rúcula, na sua forma natural, assim como a maioria de outros vegetais e legumes, é um alimento essencial para ajudar o nosso corpo a manter-se hidratado.

Pode prevenir certos tipos de cancro

Além de ser rica em fibras e antioxidantes, a rúcula também contém uma elevada quantidade de glucosinolatos, compostos químicos solúveis em água e ricos em enxofre. Quando consumidos, os glucosinolatos passam por diversas transformações no nosso organismo, sendo transformados em substâncias como a Indol 3 carbinol e o isotiocianato, essenciais no combate contra o cancro, em especial no pulmão, pâncreas, mama e próstata.

Melhora a visão

Os betacarotenos presentes na vitamina A auxiliam na eliminação de radicais livres, protegendo a retina e prevenindo doenças como a catarata. Já os antioxidantes, são responsáveis por protegerem os nossos olhos da iluminação intensa e dos raios ultravioletas (UV), prevenindo a cegueira.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.