Sem inspiração para cozinhar? A Veggie Saab tem dezenas de receitas

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Vegetariana desde 2017, Sabrina Coutinho resolveu expandir o seu conhecimento sobre as dietas de origem vegetal, através de uma página de Instagram, onde tem conquistado cada vez mais seguidores com as suas receitas deliciosas.

Sabrina Coutinho tem apenas 21 anos, mas há cinco que a dieta vegetariana domina a sua vida. Em 2020, decidiu criar um espaço nas redes sociais com o nome de “Cozinha da Saab”, onde expunha as suas mais criativas receitas e convertia qualquer reticente ao vegetarianismo.

Infelizmente, sofreu um ataque informático e foi obrigada a criar uma nova página de Instagram com o mesmo intuito, à qual denominou “Veggie Saab”. Agora, conta com quase 11 mil seguidores e, apesar de ter começado do início, conseguiu reconstruir a comunidade que já tinha.

A página conta com uma extensa galeria de fotografias, ilustrando as mais variadas receitas, entre as quais: sobremesas vegan, onde as natas são substituídas por bebidas vegetais, adaptações carnívoras, onde a proteína animal é trocada por alternativas, como o tofu e o seitan, entre outras.

Apesar de a página ser apenas um hobby para Sabrina, ser vegetariana é um trabalho a tempo inteiro e, desde que adotou este estilo de vida, em 2017, que ambiciona criar novas receitas, com diferentes palatos, não só para os seus seguidores como para si própria. “O Veggie Saab também me permite superar a mim própria, faz-me sair da minha zona de conforto e experimentar novos ingredientes e novas formas de cozinhar”, explica.

Doces ou salgados? O vegetarianismo dá para todos os gostos

A sua paixão pela cozinha vegetariana tem um protagonista: “como sou um pouco gulosa, por norma tenho mais facilidade em criar receitas doces”. O que corresponde também aos gostos dos seus seguidores, sendo a doçaria a gerar maior interação na sua página, nomeadamente a sua “Tarte de Fambroesas” e as suas “Papas de Aveia de Chocolate no Forno”.

As razões para a doçaria causar um maior furor na sua página levam-nos até à estética das publicações, que “costumam ser mais apelativas visualmente, tanto pelas cores mais vibrantes como pela apresentação”, explica. No entanto, apesar de referir que a sua “comunidade é composta por autênticos gulosos”, como a própria, Sabrina também faz render muitos apaixonados por salgados, publicando uma receita de cada por semana.

Nesta categoria alimentar, a administradora da “Veggie Saab” foca-se em criar receitas com sabores semelhantes às refeições carnívoras. “Gosto muito de pegar em receitas que costumava fazer ou de infância, quando ainda não era vegetariana, e torná-las vegetarianas”, refere.

Aliás, é por essa via que conquista alguns omnívoros, “apostando em sabores que lhes sejam familiares”. No caso de Sabrina, esta afirma vingar com receitas como o seu “Tofu à Brás”, que fascinam familiares e amigos seus.

Mas, para lá das receitas semelhantes às carnívoras, Sabrina sugere que “talvez seja boa ideia recorrer a alimentos que imitam muito bem carne, sendo que estão cada vez mais disponíveis nos supermercados”, tais como hambúrgueres, salsichas e outros produtos com sabor a carne.

Nas suas receitas, Sabrina procura incorporar proteínas como tofu e grão de bico, que, como a própria indica, “são alimentos altamente versáteis e baratos que permitem criar uma variedade imensa de pratos”. Diz, no entanto, não aconselha nenhuma fonte proteica em concreto, sendo que “cada pessoa deve optar pelos seus alimentos ricos em proteína preferidos”.

Finalmente, faz uma pequena ressalva para a preocupação com a falta de proteína nas dietas vegetarianas: “Isso não acontece, pois em qualquer alimentação equilibrada em que se consuma as calorias diárias necessárias é muito fácil atingir a percentagem de proteína diária recomendada. Por isso, numa alimentação vegetariana equilibrada e variada é muito pouco provável ser deficiente em proteína”, enuncia.

Uma alternativa para os estudantes

A vida de um estudante caracteriza-se pela correria entre horários, noites com a caneta da mão e escassas horas de descanso. Com isto, sobra pouco tempo para a culinária e, muitas vezes, os vegetarianos e veganos veem-se obrigados a comer opções menos saudáveis, por falta de escolha nos supermercados e desconhecimento de receitas fáceis e rápidas.

Sendo a própria uma estudante de mestrado, Sabrina Coutinho sentia a necessidade de criar algo que resolvesse este dilema alimentar. O “Ebook de Receitas Vegan para Estudantes”, lançado no início do ano, contém 30 receitas, entre snacks e pequenos-almoços, almoços e sobremesas.

As confeções têm, como principal atributo, a simplicidade, e são destinadas a “ingredientes que sejam fáceis de encontrar em qualquer supermercado e relativamente baratos”.

Além disso, Sabrina procurou adequar as receitas aos escassos materiais dispostos nas residências estudantis, sendo que “a maioria apenas exige ter um tacho, uma frigideira ou um forno”.

O ebook tem um custo de 10€ e pode ser adquirido online, através do link. Foi criado com o propósito de “mostrar que, mesmo sendo estudante, tendo tempo e dinheiro limitado, não significa que tenha de comer refeições vegetarianas aborrecidas”, confirma Sabrina Coutinho.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.