Tem a certeza que sabe ler os rótulos? Descanse, nós damos uma ajuda

Carolina Jesus

Produtora de conteúdos

Os rótulos passam-lhe ao lado, quando está nas compras? Isso tem de mudar! Deve olhar para as indicações dos alimentos, de forma a fazer uma escolha mais consciente. Quer para a sua saúde, quer para a sua carteira. Embora os rótulos não estejam diretamente relacionados com o valor monetário dos produtos, poderá estar a poupar muito dinheiro se ler com atenção as suas componentes. Nós mostramos-lhe como!

Não é uma ciência, nem uma arte, mas ler os rótulos dos alimentos é fundamental para fazer escolhas certas. Aquela informação não está ali por acaso. Primeiramente, deve olhar para a tabela que salta mais à vista no rótulo: a nutricional. Poderá perceber as quantidades dos nutrientes que melhor fazem à sua saúde ou, pelo contrário, pior lhe fazem!

Perceba a constituição nutricional:

  • Valor energético

O valor energético é a junção de todas as calorias do produto. Estão referenciadas como “kcal” (quilocalorias) ou kJ (quilojoules). Costuma aparecer no rótulo no topo da tabela nutricional.

  • Lípidos

Representam a gordura presente no alimento, repartindo-se em dois tipos: saturados e insaturados. Surge também a medida “dos quais ácidos gordos saturados”, que lhe indica a gordura saturada existente no alimento. A cada 1g de lípidos correspondem a 9 kcal.

  • Hidratos de Carbono
  • Indicam-lhe a quantidade de hidratos de carbono presentes no alimento, que se dividem em dois tipos: simples, que são rapidamente absorvidos pelo organismo, e complexos que são mais saudáveis. Os açúcares encontram-se na primeira categoria e, embora já incluídos nesse valor, também têm uma medida à parte, que indica a percentagem de hidratos de carbono simples. Nestes nutrientes, 1g fornece 4 kcal.

    • Proteínas

    Indica a quantidade de proteínas que o alimento tem. Este valor varia muito, visto que cada ingrediente tem uma quantidade diferente. No entanto, sabe-se que 1g de proteínas equivale a 4 kcal.

    • Fibra

    Apresenta o valor de fibra presente no alimento, um nutriente muito importante para o organismo por melhorar a função intestinal e aumentar a sensação de saciedade. Cada 1 g de fibra corresponde a apenas 2 kcal.

    • Sal

    Representa o sal disponível no alimento, que costuma ser reduzido. Contudo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de apenas 5g de sal por dia e deve ter atenção para não ultrapassar esse valor ao ingerir vários alimentos. E atenção, nestes 5 gramas está incluído tudo: o sal já naturalmente presente nos alimentos, sobretudo os processados, e ainda aquele que vocês adiciona ao cozinhar ou temperar. É por isso que a maior parte de nós ingere duas a três vezes mais sal do que é recomendado.

    Semáforo Nutricional

    Semáforos não são apenas aqueles que dão ordem de parar ou avançar. Se nunca ouvir falar do semáforo nutricional, então está na altura de conhecer a melhor ferramenta para a análise dos rótulos dos alimentos

    O semáforo nutricional, em semelhança com o rodoviário, funciona através de um código de cores: verde, amarelo e vermelho. No entanto, eles apenas nos informam da carga nutricional que cada alimento contém e quais as quantidades a evitar.

    A medida inclui os lípidos (gorduras), gorduras saturadas, açúcares e sal e alerta o consumidor para os cuidados a ter com certos alimentos. Deverá optar por alimentos cujos nutrientes se encontrem predominantemente na categoria verde, moderar que contém um ou mais na categoria amarela e evitar aqueles com um ou mais na categoria vermelha.

     O “Descodificador de Rótulos” disponibilizado pelo Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS) ajuda a perceber as quantidades que os nutrientes precisam de ter para pertencer a cada uma das categorias.

    “É só ler a composição nutricional e já está?”

    A resposta é não! Em dezembro de 2016, entrou em vigor uma nova lei que obriga os rótulos a terem todas as informações de forma clara e perceptível, de modo a garantir que o consumidor faz uma escolha consciente.

    Dito isto, não deve esquecer outros aspetos muito importantes na leitura do rótulo, pois, muitas vezes, os nutrientes não são o maior problema.

    Prazo de validade: É extremamente importante olhar para esta indicação, para saber que não está a comprar um produto fora do prazo de validade.

    Origem dos produtos: Esta informação deve ser tida em atenção, especialmente quando se refere à carne. Antigamente, só era possível ver a origem da carne, caso esta fosse bovina, mas, agora, consegue identificar se é de ave, suíno, ovino ou caprino. Tal pode influenciar a decisão do consumidor pela preferência da carne e se prefere adquirir produtos nacionais.

    Processo de fabrico: Deverá consultar as indicações existentes sobre o processo de descongelação, a data de congelação e as condições de conservação do alimento. Outra referência é a presença de algum ingrediente não comestível, como o caso dos chouriços, cujo invólucro deve ser retirado antes de servido.

    Tamanho das porções: Como referimos no semáforo nutricional, as quantidades de nutrientes transmitem-se sempre por 100g ou 100ml. Deste modo, deve ter atenção ao que está realmente a comer.

    Outras histórias que vai querer ler

    Leave a Reply

    O seu endereço de email não será publicado.