Quatro dias em Paris, 72 Km percorridos a pé. Isto é Escolher Viver

Nuno Azinheira

Diretor do Escolher Viver

Quem me segue no Instagram sabe que, por estes dias, estou em Paris, em cinco dias de férias na capital francesa, antes do arranque do ano letivo da ETIC, escola onde, há quase dez anos, dou aulas de Jornalismo, área de que sou coordenador pedagógico. Por aqui exercício físico não tem faltado…
ATUALIZAÇÃO: Ao quarto e quinto dia, andei mais 22 quilómetros a pé. No total dos cinco dias na capital francesa foram 72 quilómetros.

São 22.21 aqui em Paris, 21.21 em Lisboa. Acabo de chegar ao quarto de hotel, de onde saí antes das 11.00. Estou esgotado. Dói-me tudo. Dos pés ao fundo das costas, passando pelos músculos das pernas. Não é para admirar: ao longo do dia de hoje – domingo – andei a pé 19,4 km. Nunca tinha andado tanto a pé num só dia. Foi hoje. Não houve metro, não houve autocarro, nem tuk-tuk. Tudo a pé, que Paris é uma cidade quase sempre plana, que convida a longas passeatas.

Do Quartier Latin, na rive gauche do Sena, onde estou alojado, alcança-se tudo. Basta querer. E nos últimos meses, neste processo de transformação do meu corpo, tenho voltado ao exercício físico consistente. No ginásio, com o meu PT Luís Gonçalo Martins, à segunda, quarta e sexta-feira, a que se juntam caminhadas diariamente. O normal em Lisboa é andar, em média, seis ou sete quilómetros por dia. Já tinha ido até aos 15. Nunca tinha chegado aos 19,4. Foi hoje. E não foram 19 quilómetros quaisquer, já que deixei para hoje a subida a Montmartre, um dos barros mais bonitos de Paris, e a ainda mais inclemente escadaria para o Sacré Coeur. Foi duro, confesso, mas valeu a pena. E quando cheguei lá cima, confesso, senti-me feliz e orgulhoso. Há uns meses seria impensável.

Este foi o terceiro dos cinco dias (quatro e meio, para ser mais correto…) em França. Com o dia de hoje terminado, os meus dois pés já contabilizam 50,9 quilómetros palmilhados em Paris. É dose. Faltam ainda a segunda-feira e a manhã de terça.

O exercício físico tem sido fundamental para os quilos que já perdi (quase 20 à saída de Lisboa) e os centímetros que já reduzi (25). É claro que o cuidado com a alimentação é fundamental, mas, como calculam, não vim para Paris fazer dieta. Tenho tido alguns cuidados com os doces, claro, mas nada de mais. Ainda hoje, ao almoço, deliciei-me, junto ao Moulin Rouge, com um Quick, o sucedâneo europeu da Mc Donalds, com um gosto mais europeu e com menos sal, mas quem por isso muito mais saudável. Mas dias não são dias e, já sabem, detesto radicalismos. Além disso, quem anda quase 20 km num só dia bem merece uma asneira saborosa…

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.