Vermelho, verde e amarelo. O que distingue os pimentos para além das cores

Diana Rosa

Jornalista

O pimento é um alimento cheio de versatilidade. Ele dá para saladas, ele dá para ensopados, molhos ou sopas, o que quiser. Além disso, é bastante nutritivo e traz muitos benefícios à nossa saúde. Só que na hora de escolher, olhamos para as cores dos pimentos e pensamos: E agora? Qual deles devo levar? Será que há assim tantas diferenças entre eles?

Ora bem, talvez não. A diferença entre as cores dos pepinos está na… maturação. O verde é mais precoce (se calhar é por isso que também é o mais barato dos três…) o amarelo de maturidade média, e o vermelho é o mais maduro, logo mais adocicado. Portanto, tudo depende da altura em que foram colhidos.

Por ser mais amargo, o pimento verde é o que apresenta menos teor calórico, que vai aumentando à medida que vão escurecendo. Mas calma, estamos a falar de vegetais, a quantidade de calorias nunca será um fator muito preocupante. Por ser mais ácido, o pimento verde tem tendência a causar algumas dificuldades de digestão. Se é sensível a isso, experimente um pimento mais avermelhado.

E a nível nutricional, há diferenças?

Bom, todos os tipos de pimento são altamente ricos em antioxidantes, cálcio, fósforo e ferro. Os antioxidantes estão mais presentes no pimento vermelho. Este é mais rico em betacaroteno, que combate os radicais livres e previne o aparecimento do cancro. Quanto ao verde, é mais rico em vitamina C, já o amarelo possui maior quantidade de vitamina A. Na generalidade, todos eles são nutritivos e saudáveis. Difícil é escolher só uma cor!

E já agora, quais os benefícios dos pimentos?

Fortalecem o sistema imunitário, precisamente graças à sua riqueza antioxidante que, como dissemos, combate os radicais livres.

Previne anemias, uma vez que ajuda na absorção de ferro, por ter muita vitamina C

Previne o envelhecimento precoce, não só por causa da presença de antioxidantes mas também devido ao elevado teor de vitamina B, que promove o rejuvenescimento celular. Já a presença de vitamina C ajuda à produção de colagéneo.

Previne a osteoporose, dado o elevado teor de cálcio, que protege os ossos, mas também os dentes e as unhas.

Ajuda a uma boa visão, devido à elevada presença de vitaminas, nomeadamente A e C, assim como ao betacaroteno.

Protege o coração, uma vez que a quercetina presente neste alimento é um flavonóide associado à proteção de todo o sistema cardiovascular, que ajuda a regular a pressão sanguínea, controlar o colesterol e a tensão arterial.

Outras histórias que vai querer ler

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.